Foto FreePik

No início de 2020, o Fórum Econômico Mundial publicou um estudo inovador sobre “Os empregos do amanhã: mapeando oportunidades na nova economia”.

Os autores usaram técnicas estatísticas sofisticadas para estimar até que ponto os principais grupos de carreiras serão responsáveis ​​por oportunidades de emprego nos próximos anos. Esses empregos emergentes criarão alta demanda por oportunidades orientadas para a tecnologia e para o ser humano, que possam atender às aspirações e ao potencial pessoal das pessoas.

Os empregos de amanhã agrupam em torno de sete temas:
(1) cuidadores;
(2) inteligência artificial;
(3) engenharia e computação em nuvem;
(4) profissões verdes;
(5) marketing, vendas e conteúdo;
(6) cultura;
(7) desenvolvimento de produtos.

Alguns dos “empregos quentes” mais prováveis ​​do futuro incluem: treinadores atléticos, personal-trainers, cientista de dados, desenvolvedor de big data, analista de insights, engenheiro de segurança (cloud computing), engenheiro Full-Stack, desenvolvedor python, técnicos de sistema de aterro sanitário, técnico de serviço de turbinas eólicas, especialistas em sustentabilidade, parceiros de recursos humanos e especialista em aquisição de talentos, testador de garantia de qualidade, treinador ágil, scrum master, proprietário de produto digital (Product Own), produtor de conteúdo de mídia social, hacker de crescimento de marketing, especialista em clientes, diretor comercial e redator criativo.

Prever o futuro é um negócio notoriamente complicado, mas as escolas devem fazer o possível para preparar os jovens para o mundo do trabalho que receberá seus graduados em poucos anos. Que habilidades as escolas devem ajudar os alunos a desenvolver para uma participação plena no mercado de trabalho criado pela Quarta Revolução Industrial? Algumas habilidades são familiares, tendo formado a espinha dorsal do aprendizado e do ensino nas escolas por muitos anos.

Os alunos sempre precisam ler, de maneira perspicaz, escrever persuasivamente e aplicar praticamente o entendimento matemático – embora agora devam fazê-lo em ambientes digitais ricos em tecnologia (e com graus crescentes de sofisticação).

Aprender vários idiomas é uma boa ideia; assim como aprender a gerenciar projetos; como liderar e cuidar dos outros; como ser um indivíduo ativo e saudável. Porém, pode haver necessidade de algumas novas disciplinas no currículo e mais atenção ao desenvolvimento de oportunidades para os alunos se envolverem com o aprendizado no mundo real que ajuda a prepará-los para o mundo vindouro. Computadores (ou mais especificamente, interação computador-humano), para surpresa de ninguém, serão fundamentais.

Mas a ciência de dados, a visualização de dados, as tecnologias de armazenamento de dados, a alfabetização e a análise de dados são novas disciplinas para a maioria das escolas secundárias.

As artes criativas serão cada vez mais centrais, e os cursos de carreira em negócios, empreendedorismo, gerenciamento e manufatura podem precisar de uma atualização. A educação para o futuro provavelmente será mais orientada para as habilidades e menos preocupada em validar o conhecimento do conteúdo. Sempre será importante saber as coisas, mas é cada vez mais importante aproveitar o conhecimento para a ação.

Os alunos também precisam aprender como fazer as coisas. As habilidades tecnológicas e as habilidades de produção de conteúdo precisarão desenvolver novas linhas de base e oferecer compromissos estruturados de aprendizado que colocam os alunos em contato com tecnologias disruptivas à medida que elas estão surgindo.

Provavelmente muito poucos professores estão prontos para liderar essa mudança, por isso será importante suavizar as fronteiras entre a escola e o mundo além da sala de aula. Precisamos de parcerias poderosas para o aprendizado e uma estrutura inovadora para acompanhar a introdução dos alunos às ocupações de amanhã.

Precisamos de novos programas acadêmicos que valorizem carreiras e talvez outros caminhos acadêmicos não tradicionais para empreendedores sociais que muitas vezes se atrasaram nas progressões da aprendizagem que a maioria das instituições educacionais aprendeu a fazer tão bem.

Fonte: https://www.thepeninsulaqatar.com/opinion/15/06/2020/The-future-of-jobs-for-today%E2%80%99s-students

webmaster

Por webmaster

RSS
LinkedIn
Share