Motivação

“O que faz algumas pessoas darem o máximo de si enquanto outras procuram fazer apenas o mínimo indispensável?”

 


“Como podemos influenciar o desempenho daqueles que trabalham em nossa equipe?”

 

 

MOTIVAÇÃO:

 

 

-é uma energia direta ou intrínseca, ligada ao significado e à natureza do próprio trabalho realizado.

 

 

-motivo pela qual uma determinada pessoa ou organização é motivada a efetuar algo. Pode ser financeira, sobrevivência, estima, inveja, ou auto-realização.

 

 

 

COMPROMISSO:

 

 Um compromisso é uma obrigação ou dívida com um prazo de pagamento ou término. Exemplos de compromisso:

 

 1. Obrigação:

 

 *****primentos de horários, normas e diretrizes;

 

 2. Promessa;

 

Pode ser verbal, ou escrita;

 

3. Ajuste, acordo:

 

Renegociação, resultado de negociações;

 

4. Dívida com dia aprazado para pagamento;

 

Salários, luz, condomínio, água, telefone, etc.

 

 

META:

 

Alvo, objetivo fim.

 

Uma meta deve ser algo realista, específico e ser uma extensão dos valores pessoais.

 

 1. Metas financeiras;

 

2. Metas Pessoais;

 

3. Metas Profissionais;

 

 

DISCIPLINA:

 

Regra, método.

 

Disciplina é o melhor meio de se realizar algo ou para o bom funcionamento.

 

1. Manuais, livros;

 

2. Normas, certificados;

 

3. Padronização;

 

 

 

Maslow – Hierarquia das necessidades

 

-Auto-realização (realização do potencial, etc.)

 

-Estima (reputação, reconhecimento, amor, etc.)

 

-Sociais (amizade, inclusão em grupos, etc.)

 

-Segurança (proteção contra o perigo ou privação)

 

-Fisiológicas (ar, comida, descanso, abrigo, etc.)

 

 

 

Segundo Maslow, nosso comportamento é influenciado na direção de satisfazer nossas necessidades mais básicas. Quando a necessidade de um nível é alcançada, procuramos satisfazer as necessidades de um nível superior.

 

 

Sugestões de como ajudar a satisfazer estas necessidades:

 

-Fisiológicas => salário, condições agradáveis no ambiente de trabalho;

 

-Segurança => planos de aposentadoria, segurança no emprego, plano de carreira;

 

-Sociais => Permitir interação entre colegas, Reuniões fora da organização;

 

-Estima => Cargos que permitam realização, autonomia, responsabilidade; Valorização da identidade pessoal; Reconhecimento, promoções, condecorações;

 

-Auto-realização => encorajamento ao completo comprometimento; O trabalho como uma das principais dimensões de expressão da vida da pessoa;

 

 

 

Estabelecimento de Metas

 

Uma meta para ser motivadora, deve ser:

 

-Aceitáveis: faça sentido e não entrem em conflito com valores pessoais;

 

-Desafiadora: porém possível de ser atingida;

 

-Específica: quantificáveis e mensuráveis ao invés do “dar tudo de si”.

 

 

Equidade

 

As pessoas estão sempre comparando a relação entre suas contribuições ao trabalho (como esforço e habilidade) e as recompensas recebidas (como pagamento e promoção) com as relações entre contribuições e recompensas de pessoas semelhantes.

 

“O gramado do vizinho sempre parece mais verde”

 

 

Atenção:  Tomar cuidado com a “Profecia Auto-realizadora”

 

 

 

Resumindo minha visão:

 

-DESAFIO

 

-SIGNIFICADO

Sites de Emprego

Sites de Empregos:

Funcionam como classificados de empregos
online, aonde as empresas anunciam suas vagas abertas e os candidatos
anunciam seu currículo. Existem basicamente dois modelos, aonde os
sites cobram das empresas para anunciar suas vagas e usar ferramentas
de gerenciamento do processo seletivo e os sites que os candidatos
pagam, para ter acesso a um grande número de ofertas de emprego.
Nos casos aonde é grátis para o candidato, você deve aguardar que uma
das empresas clientes daquele site tenha uma vaga que sirva para você.
No caso dos sites que o candidato pago, o site presta o serviço de
procurar o maior número possível de vagas para você, não se limitando
apenas a algumas empresas clientes.

Como no caso das empresas de Recursos Humanos, funcionam bem desde
cargos de entrada com menos exigência de formação, passando com cargos
que exijam especialização, até cargos de chefia, supervisão e gerência.

Links:

-Recrutando.com
http://www.recrutando.com
Site especializado em Engenharia e TI

-EnviaCV
https://www.enviacv.com.br
Classificado de vagas e currículos

-Emprego Certo
http://EmpregoCerto.uol.com.br
UOL Emprego Certo. Classificado de vagas e currículos

-Catho Online
http://www.catho.com.br
Oferece consulta a classificado de vagas e divulgação de currículos

-Manager Online
http://www.manager.com.br
Oferece consulta a classificado de vagas e divulgação de currículos

-Empregos
http://www.empregos.com.br
Oferece consulta a classificado de vagas e divulgação de currículos

-Curriculum
http://www.curriculum.com.br
Oferece consulta a classificado de vagas e divulgação de currículos

-Vagas.com.br
http://www.vagas.com.br
Oferece consulta a classificado de vagas e divulgação de currículos

-Apinfo
http://www.apinfo.com.br
Oferece consulta a classificado de vagas e divulgação de currículos específicos de profissionais da área de informática

-Curriex
http://www.curriex.com.br
Cadastramento de currículos e classificado de vagas

-Bumeran
http://www.bumeran.com.br/
Site sulamericano de cadastramento de currículos e classificados de vagas

-Trabalhando
http://www.trabalhando.com.br
Cadastramento de currículos e classificado de vagas

-InfoJobs
http://www.infojobs.com.br
Versão brasileira do site da Anuntis. Cadastramento de currículos e classificado de vagas

-Ceviu
http://www.ceviu.com.br
Cadastramento de currículos e classificado de vagas em TI

Vagas
http://www.vagas.pro
Agregador de vagas de emprego
Cadastro vagas grátis

Emprego
http://www.emprego.pro
Agregador de vagas de emprego em Portugal
Cadastro vagas grátis

Empresas de Recursos Humanos ou Agências de Empregos:

Elas são
contratadas pelas empresas para acharem um profissional para
determinada vaga aberta. Como é a empresa que paga para achar o
candidato, então você pode enviar seu currículo gratuitamente para
estas empresas e não deve aceitar qualquer cobrança para participar do
processo seletivo. Estas empresas geralmente trabalham com vagas que
exigem menos formação até cargos de chefia, supervisão e gerência.

Links:
-Alliage
http://www.alliage.com.br
Consultoria em RH

-Gelre
http://www.gelre.com.br
Cadastramento de currículos e vagas e consultoria de RH

-Acalântis Recursos Humanos
www.acalantisrh.com.br

-ACERTE – Assessoria em RH
www.acerte.guaru.net

-Acintegra
www.acintegra.com.br

-Across Recursos Humanos
www.acrossrh.com.br

-AF Serviços Empresariais
www.afserv.com.br

-Alfa C. S. – Consultoria
www.alfa-cs.com.br

-Âncora RH
www.ancorarh.com.br

-André, Barbosa Consultores em RH
www.andrebarbosa.com.br

-Antares Recursos Humanos
www.agenciantares.com.br

-Ativa Consultoria em RH
www.ativarh.com.br

-Atual Empregos
www.atual-empregos.com.br

-Benvegnú Recursos Humanos
www.benvegnu.com.br

-Bridge Consultoria
www.bridgeconsultoria.com.br

-Build Up
www.buildup.com.br

-Cetro Consultoria e Administração
www.cetroconsultoria.com.br

-Commitment
www.commitment.com.br

-Delta RH e Serviços
www.deltarh.com.br

-Desempenho Consultoria de RH
www.desempenho.com.br

-EDP – Contultoria de RH
www.edpcrh.com.br

-Egon Zehnder International
www.zehnder.com

-Esferas Recursos Humanos
www.esferasrh.com.br

-Espaço RH
www.espacorh.com.br

-Expectativ – Recursos Humanos
www.expectativ.com.br

-Fácil Recursos Humanos
www.facilrh.com.br

-GDL Recursos Humanos
www.gdl-rh.com.br

-Gênese Consultores Associados
http://geneserh.com.br

-Gente – Banco de Recursos Humanos
www.gentebanco.com.br

-Gercon Recursos Humanos
www.gerconrh.com.br

-Global Empregos
www.globalempregos.com.br

-Golden Service
www.goldenservicerh.com.br

-Good Service Consulting
www.goodservice.com.br

-Grupo Better RH
www.betterrh.com.br

-Grupo Executives
www.executives.com.br

-Grupo Fact – Future
www.grupofact.com.br

-Grupo Funcional
www.funcionalrh.com.br

-Grupo Momtemp / Labormen
www.momlab.com.br

-Grupo Pointer Consultoria em RH
www.pointer-rh.com.br

-Hequilíbrio Serviços de RH
www.hequilibrio.com.br

-Kastrup Executivos
www.kastruprh.com.br

-Korn Ferry International
www.kornferry.com.br

-KPMG – Consultoria
www.kpmg.com.br

-Laboredomus Consultoria em RH
www.laboredomus.com.br

-LC Consultoria e Ass. Empresarial
www.lc-consultoria.com.br

-Lopes & Borghi – Consult. Associados
www.lopesborghi.com.br

-Marras & Associados
www.marras.com.br

-Mastertemp RH
www.mastertemp.com.br

-Max RH
www.maxrh.com.br

-Mega Recursos Humanos
www.megarecursoshumanos.com.br

-Mentre Recursos Humanos
www.mentre.com.br

-Meta Recursos Humanos
www.metarh.com.br

-Multilabor Recursos Humanos
www.multilabor.com.br

-New Work Consultoria
www.nwork.com.br

-Omni Consultores
www.omniconsultores.com.br

-Philip, Calazans, Endler – Ass. em RH
www.transearch.com.br

-PLANORH – Consultoria em RH
www.planorh.com.br

-Plus Consulting RH
www.plusrh.com.br

-PMC Amrop International
www.pmcamrop.com.br

-PMT Serviços Empresariais
www.pmt.com.br

-Potencial Recrutamento e Seleção
www.pot.com.br

-Premier Recursos Humanos
www.premierol.com.br

-Proidéia Soluções Empresariais (i9)
www.proideia.com.br

-Renome Empregos
www.renomeempregos.com.br

-Right Time Recursos Humanos
www.right-time.com.br

-Rohlem
www.rohlem.com.br

-Selectus Consultoria Empresarial
www.selectusrh.com

-Seleta Recursos Humanos
www.seletarh.com.br

-Socius Recursos Humanos
www.socius.com.br

-Start Up – Consultoria em RH
www.startup-rh.com.br

-Stiebler – Organização de RH
www.stiebler.com.br

-Sulamericano RH
www.sulamericano.com.br

-Systemplan RH e Informática
www.systemplan.com.br

-Tersel Consultoria em RH
www.terselrh.com.br

-Vision Group
www.visiongroup.com.br

-Você Tem Valor Consult. em RH
www.vocetemvalor.com.br

-W/PHARHMA
www.wpharhma.com.br

-WHJ Consultoria
www.whj.com.br

-CIEE
http://www.ciee.org.br
Centro de Integração Empresa Escola, atua no auxílio a estagiários

-Luandre
http://www.luandre.com.br
Consultoria de RH

Existem também algumas empresas que trabalham com um perfil mais especializado ou cargos de gerência ou diretoria:

Links:
-Michael Page
http://www.michaelpage.com.br
Headhunting

-Robert Half
http://www.roberthalf.com.br/
Fundada em
1948, empresa de recrutamento especializado, proporcionando serviços de
consultoria para contratação de profissionais das áreas financeira,
contábil, vendas e marketing, engenharia e tecnologia. Com mais de 350
escritórios distribuídos pelo mundo e um time com mais de 6500
consultores em recrutamento.

Head-Hunters:

São profissionais especialistas (consultores), ou empresas, contratados
por grandes empresas para procurarem por executivos com conhecimentos
específicos, que são mais difíceis de se achar no mercado. Em geral de
um nível hierárquico de chefia para cima. Trabalham muito com
indicações e referências, e uma boa rede de networking pode te ajudar a
cair na mira de um deles quando precisarem de um profissional com suas
características.

Links:
-Marcio Bamberg
http://www.marciobamberg.com.br/

-Korn Ferry International
http://www.kornferry.com.br
Consultoria

-Lens e Minarelli
http://www.lensminarelli.com.br
Consultoria RH – headhunting

-Heidrick & Struggles
http://www.heidrick.com/
Chief executive, board member and senior-level management search

-Simon Franco
http://simonfranco.com.br
Consultoria de RH e headhunting

-Bright Link
http://www.brightlink.com.br/

-De Bernt
http://www.debernt.com.br/

-DM RH
http://www.dmrh.com.br/

-Eigenheer
http://www.eigenheer.com.br/

-KPMG
http://www.kpmg.com.br/

-Márcio Bamberg
http://www.marciobamberg.com.br/

-Mariaca
http://www.mariaca.com.br/

-Passarelli
http://www.passarelliconsultores.com.br/

-Saad Fellipelli
http://www.saadfellipelli.com.br/

-Seres
http://www.seres.com.br/

-TASA
http://www.tasabrasil.com.br/

Outplacement:

Quando uma empresa dispensa um funcionário, ou um
grupo deles, algumas vezes ela contrata uma agência para ajudar estes
profissionais a se recolocarem no mercado. Quem faz este trabalho de
ajudar os profissionais neste caso, são as chamadas empresas de
Outplacement

Links:
-Laerte Cordeiro
Headhunter, Outplacement, Coaching,Assessment, Desenv. Organizacional
www.laertecordeiro.com.br

-Lens e Minarelli
http://www.outplacement.com.br/

-Mariaca
http://www.mariaca.com.br/

-DQueiroz
http://www.dqueiroz.com.br/

Recolocação profissional:

Existem também algumas empresas
especializadas em dar acessória ao profissional que está procurando um
novo emprego. Estes serviços incluem elaborar um currículo mais
eficiente, orientação de carreira, treinamento para entrevistas e
encaminhamento do seu currículo para uma base de dados de empresas que
podem se interessar pelo seu currículo, não necessariamente que elas
tenham vaga no momento. Quem paga por estes serviços é o próprio
profissional (pessoa física)

A dica aqui é ler bem o contrato quando for contratar este tipo de
serviço, para saber o que exigir da empresa, e lembra-se que nenhuma
empresa ou site pode garantir 100% uma vaga para você. Se alguém tentar
te vender um serviço com promessa de emprego, desconfie.

Links:
-Mariaca
http://www.mariaca.com.br/

-Thomas Case & Associados
http://www.thomascase.com.br/

-Ricardo Xavier RH
http://www.ricardoxavier.com.br/

Networking:

Para encerrar, um bom método para ficar atento a
novas oportunidades é através de sites que promovem networking
profissional. Além disso, são ótimos para manter contato com seus
conhecidos mesmo quando eles vão mudando de empresa.

Links:
-Linked In
http://www.linkedin.com
Site de networking

-Plaxo
http://www.plaxo.com
Site de networking e rede social

Negociação

Conceituando negociaçãoO que é negociação:
Negociação é um processo de se chegar a um entendimento comum sobre uma determinada necessidade, em que através de confronto e discussão de propostas, as partes consentem em ajustar seus interesses divergentes.
Negociação em projetos
Os projetos em geral causam mudanças e consomem recursos, neste processo é necessário que as partes envolvidas entrem em acordos sobre compartilhamentos de recursos, prioridades e mudanças na organização. Para lidar com os conflitos resultantes deste processo, é necessário o uso de metodologias de negociação para ajustar os interesses dos envolvidos.
Negociação e conflito
Durante a discussão para ajustar as divergências, as pressões de um lado e de outro são, por si só, uma fonte de conflito, podendo gerar mais divergências. Portanto os negociadores devem estar atentos para não gerar mais atritos.
Etapas da construção de consenso
1-identificação do problema;
2-identificação das partes;
3-Reunião do processo;
4-Desenho do processo;
5-Definição e análise do processo;
6-Identificação e avaliação de soluções alternativas;
7-Tomada de decisões;
8-Aprovação do acordo;
9-Implementação do acordo.
Quando negociar
Quando mudanças ocorrem dentro das organizações, haverá a necessidade de se satisfazer desejos dos envolvidos, e sendo estes desejos conflitantes, será necessário negociar para a satisfação as necessidades dos stakeholders.
Oportunidades associadas à negociação
As negociações devem atender os objetivos de curto, médio e longo prazo dos envolvidos, caso contrário ganhos rápidos podem se transformar em perdas futuras, causando um desequilíbrio na satisfação das necessidades dos envolvidos. Portanto teremos sempre a possibilidade de ganhos ou perdas como resultado de uma negociação (´good business´ X ´bad business´)
Qualidade na negociação
Segundo o PMBOK, a “qualidade é a totalidade das características de uma entidade que sustenta sua habilidade de satisfazer necessidades descritas ou implícitas“. Portanto a percepção dos envolvidos na negociação estará relacionada com suas expectativas. Eles enxergarão sucesso, ou uma negociação de qualidade, a medida que sua percepção do resultado superar sua espectativa inicial.
A MACNA da negociação
Melhor Alternativa em Caso de Não Acordo – deve-se sempre estudar uma solução alternativa, ou uma segunda opção de que ação tomar caso não se consiga chegar numa solução para as divergências. Com outra opção de ação caso não se chegue num acordo, o negociador terá uma vantagem em relação a outra parte, pois terá uma satisfação de suas necessidades por outros métodos, podendo interromper o processo caso tenha que fazer concessões superiores às suas expectativas.
Exemplo de utilização de MACNA
Conforme o trabalho desenvolvido por membros da classe sobre exemplos de uso da MACNA em obras de ficção cinematográfica, enquanto fã da série “Star Wars” de George Lucas, gostaria de propor a seguinte situação como proposta de identificação deste conceito:
No episódio 1 (“Phanton Menace”) uma governante (rainha) precisava levar um assunto urgente para negociação ao Senado, trata-se de um embargo comercial de um de seus rivais. Como havia-se a suspeita que o citado Senado não teria consenso e o líder atual (chanceler) não teria apoio para chegar num acordo mínimo aceitável para a rainha, a MACNA era propor a realização de uma eleição imediata de um novo chanceler. Como de fato, a discussão não evoluiu, durante o decorrer da ação foi proposta um “voto de desconfiança ” ao chanceler atual, e uma nova eleição foi feita, elegendo um chanceler que apoiou a causa da rainha e conquistou o apoio do Senado contra o embargo comercial da “Fedração do Comércio”. Em geral o filme tem várias cenas de negociação, sendo a maioria de caráter distributiva, aonde como em geral acontece em disputas de poder, as partes tendem a maximizar a sua influência em detrimento do poder das demais partes.
O resultado da negociação
Quando o resultado da negociação é melhor que o MACNA, a negociação agregou valor às partes, sendo um resultado positivo que contribui inclusive para ajudar a desenvolver um relacionamento de confiança entre as partes.
Tempo de coleta de informações
Negociadores habilidosos irão investir mais tempo fazendo perguntas, testando seu entendimento, parafraseando e resumindo. Deixando a outra parte falar mais, o negociador amplia sua capacidade de identificar necessidades e objetivos dos envolvidos para chegar num melhor acordo.

Conceitos básicos a serem observados nas negociaçõesAnálise do make or buy
As empresas existem para suprir necessidades existentes no mercado em que os clientes enxergam valor. Para atender estas necessidades, muitas vezes as empresas deparam-se com decisões de comprar ou desenvolver recursos ou serviços para estes projetos, sendo importante considerar os motivos, as oportunidades e ameaças envolvidas nesta decisão, considerando o ambiente atual e futuro.
Formação de preços
O preço de um bem ou serviço é formado por seu custo de produção, ao valor dos riscos envolvidos mais a margem de lucro.
Negociação distributiva e Integrativa
Na negociação distributiva, o valor ganho por uma parte torna-se indisponível para as outras. Esta em disputa uma quantidade fixa, ou limitada, de valor, tornando a abordagem competitiva e desestimulando o bom relacionamento entre as partes
Na negociação integrativa, a satisfação das necessidades de uma parte não implica em diminuição da satisfação das outras partes, tornando a abordagem colaborativa e fortalecendo os relacionamentos. Permite maximizar os ganhos.
Relação de forças de negociação
Caso um dos lados da negociação tenha a vantagem de poder adiar a satisfação de suas necessidades, ele pode usar o fator tempo como uma vantagem na negociação. Por exemplo, se ele sabe que uma das partes só tem 1 dia para fechar um acordo, ele tentará retardar o máximo possível a decisão para que a outra parte tenha que decidir com pressa no final.
Se um dos lados da negociação tem uma imagem de boa reputação, seu cacife ao invés de ameaçar, transmite confiança as outras partes.
Processo racional de tomada de decisão
Levando em conta uma situação ideal, em que o negociador tem todas as informações necessárias e não enfrenta restrições de custo e de tempo, o processo racional de tomada de decisão, teria os 6 passos abaixo:
Definição do problema -> Identificar critérios para avaliação dos resultados -> Ponderar ou dar pesos aos critérios -> Criar alternativas -> Avaliá-las em relação aos critérios -> Chegar na melhor decisão.
Posicionamento na negociação
Ao entrar em uma negociação deve-se definir tanto o resultado ideal que se gostaria de obter em uma negociação, ou seja conseguir total satisfação de suas necessidades (Posição Máxima).
Deve-se também definir o mínimo que se está disposto a aceitar para chegar em um acordo (Posição Mínima)
No meio termo, está uma posição intermediária que se acredita ser um acordo razoável para atender as necessidades das duas partes, sendo o objetivo (target) a ser alcançado (Posição Alvo)
Área de barganha ou Zona de Acordo Possível
Mapeando-se a zona de mínimo e máximo acordo possível de uma das partes e mínimo e máximo acordo possível de outra parte, se houver uma área comum aos dois lados, temos uma área de acordo possível.
No exemplo de uma negociação de compra e venda de um bem ou serviço, se tivermos as seguintes posições:
Agente A (comprador)
Agente B (vendedor)
Posição Mínima
50
60
Posição Ideal
70
80
Posição Máxima
90
100Teremos uma região de 60 até 90 aonde o acordo é possível, sendo que a posição ideal das partes está entre 70 e 80. Portanto poderia-se considerar uma negociação de qualidade se o acordo final ficar nesta última faixa (70 e 80), pois preservará o equilíbrio entre os interesses e necessidades das partes.
Elementos básicos para o desenvolvimento da negociação e formas de negociar

Para alcançar o resultado pretendido, ou seja, chegar ao atendimento do objetivo e metas traçadas na negociação, existem alguns elementos básicos na metodologia a ser aplicada:
Manter a comunicação eficaz. Lembrando sempre que o emissor deve ter certeza que o receptor entendeu a mensagem e estando sempre aberto a escutar com sinceridade as outras partes;
Cuidar do bom relacionamento, separando as pessoas do problema, sendo objetivo e cuidando para que haja um equilíbrio para facilitar futuros trabalhos em conjunto novamente, usando inteligência emocional além da racional;
Descobrir os reais interesses da outra parte (necessidades, aspirações, preocupações, desejos, etc) ao invés de se preocupar com a posição da outra parte (valor, cota, desconto, etc);
Elaborar opções coerentes, apresentando o maior número de alternativas passíveis de satisfazer os interesses e necessidades das partes;
Comprovar a legitimidade das opções, demonstrando o equilíbrio da solução proposta e a aderência a leis, padrões, regulamentos, normas e princípios gerais de reciprocidade;
Definir alternativas caso não haja acordo, elaborando um MACNA, para que não haja a necessidade de se abrir mão de posições mínimas caso não seja possível afastar as divergências entre as partes;
Assumir compromisso com ações definidas, deixando claras as responsabilidades de cada parte e compreendendo os detalhes acordados, para que seja possível acompanhar o andamento do acordo.
Avaliação racional de negociação
-Avalie o seu MACNA e tente avaliar o MACNA da outra parte;
-Avalie  os interesses e não as posições de todas as partes;
-Pondere os interesses de cada parte;
-Avalie a área de barganha;
-Avalie como o ambiente afetará a negociação.
Aspectos psicológicos versus Aspectos sociais
Como em qualquer relação humana, estão envolvidos tanto aspectos sociais quanto psicológicos, portanto o negociador deve se valer de suas virtudes pessoais para lidar com estes aspectos. Abaixo exemplos de aspectos psicológicos e sociais:
Aspectos Psicológicos
Aspectos Sociais
Emoções
Moral / Ética
Percepção/Expectativa
Poder
Valores
Tradições
Crenças
Cultura
Motivação
Consenso
Necessidades
Política
Reconhecimento
Conflitos
Táticas de negociação
Para chegar numa posição ideal, é comum que as partes usem mão de estratégias, nem sempre consideradas éticas, para tentar adquirir alguma vantagem e forçar o resultado para uma maior satisfação de suas necessidades particulares. No estudo da negociação é importante o conhecimento delas para poder se defender caso alguma delas seja usada. Entre as citadas na apostila, eu destacaria as que tenho observado pessoalmente com maior freqüência:
-Ataques a outra parte e Insultos para desestabilizar emocionalmente a outra parte;
-“Good Cop and Bad Cop” ou o bonzimho e o mal. Bastante utilizado para criar empatia com um dos negociadores desestabilizando emocionalmente a relação;
-Jogar com o tempo, forçando que a outra parte fique pressionada devido ao deadline envolvido na negociação;
-Omitir informações, criando surpresas para desestabilizar propostas e táticas da outra parte;
Negociação áspera X afável
Nas negociações ásperas as pessoas assumem posições mais extremadas e resistem por mais tempo, pois os lados não querem “perder” para o outro.
Na negociação com afabilidade, os participantes evitam o confronto pessoal, e estão mais dispostas a fazer concessões, tornando possível o encontro de um acordo de forma mais rápida.
Estilo do negociador
Conhecer os estilos pessoais dos negociadores e partes envolvidas, ajuda a adaptar a argumentação usada para expor suas necessidades e propostas. O autor exemplifica com quatro estilos básicos de perfil do negociador: Reflexivo (valoriza idéias), Racional (lógico e atendo a números), Afetivo (valorizando relacionamentos) e o Pragmático (que busca resultados e decisões práticas e rápidas).Fases e estágios do processo de negociaçãoAs fases e estágios do processo de negociação posem ser estruturadas em TR~es categorias principais resumidas abaixo:
Planejamento e preparação para a negociação, aonde o negociador irá colher e reunir as informações necessárias para ter uma boa compreensão do cenário em que irá trabalhar. Quanto mais tempo se investir nestes estágios iniciais, maior as chances de se desenvolver uma negociação de sucesso.
“…Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas...” (Sun Tzu – A arte da Guerra)
Preliminar, abertura, exploração e encerramento das negociações. Uma das fases mais interessantes que já ouvi de um ex-chefe, chamado Thomas Case foi: “Raramente temos uma segunda chance de criar uma boa primeira impressão”, portanto a fase de abertura é importante para criar um clima positivo para o desenrolar dos trabalhos entre as partes. Nesta fase serão formalizadas as ações, princípios e compromissos entre os negociadores, explorando os pontos de interesse, as propostas de composição de um acordo, rebatendo e clarificando divergências.
-No Controle das condições e avaliação, deve-se verificar as ambigüidades e mal-entendidos, propor trocas e formular alternativas e propostas, procurando um acordo aceitável em relação aos pontos negociados, documentando toda a negociação, comparando o previsto com o realizado e suas conseqüências.

A tirania do mercado em relação a idade, podemos fugir dela?

Mesmo em um mercado aquecido, aonde as empresas enfrentam muitas dificuldades para completar os seus quadros de funcionários, ainda podemos observar milhares de pessoas com dificuldades de conseguir um trabalho, ou alcançar uma remuneração que julguem dignas.

Quando se é jovem na busca de um primeiro emprego, a primeira dificuldade é passar pela barreira da “falta de experiência”. Quantas vezes já não ouvimos jovens reclamando que não conseguem o emprego desejado por não terem experiência, mas que não conseguem experiência por não terem emprego? E passam por poucas e boas até conseguirem mostrar o seu potencial e adquirir a experiência suficiente para conquistar seu espaço nas empresas.

Como resultado, os jovens com melhores condições sociais, acabam aumentando os seus anos de estudo antes de entrar no mercado. Décadas atrás, um curso técnico (de nível médio), poderia garantir uma empregabilidade alta e boa remuneração. Mas quem tem condições, sabe que hoje em dia além de fazer um curso superior o melhor é já ter no currículo um MBA ou pós-graduação. Vários cursos e especializações vão fazer a diferença antes de começar a procurar uma chance de entrar no mercado em uma posição com boa remuneração e possibilidades de evolução na carreira.

Passada a primeira barreira e depois de quase duas décadas dentro da escola, então o profissional vai aproveitar os frutos de seus esforços e entre seus 25 e 35 anos de idade terá sua época de ouro. Provavelmente irá trabalhar muito e, contando com um pouco de sorte também, encontrar várias oportunidades de se desenvolver profissionalmente e conquistar melhores salários.

Porém, passando os 40 ou 50 anos de idade, o mercado que antes o recebia de portas abertas, vai começar a ver este profissional com outros olhos. O preconceito não vai ser evidente, mas ao buscar novas posições, este profissional vai cada vez ouvir mais desculpas como: “estamos procurando profissionais mais atualizados”, “precisamos de alguém com mais energia”, “não podemos pagar uma remuneração a altura de sua experiência”, ou algum outro critério, geralmente subjetivo e preconceituoso, para optar por profissionais mais jovens. O fato é que as empresas estão sempre procurando melhorar a relação custo X benefício e muitas vezes caem na armadilha de achar que os benefícios trazidos por profissionais mais experientes não compensam possíveis custos a mais que estes profissionais possam trazer.

Como fugir desta tirania do mercado? Como não cair na armadilha, aonde hora você é muito jovem, ou sem experiência, mas de repente corre o risco de passar a ser muito caro, ou muito velho?

Vou pegar emprestado algumas ideias de Domenico de Masi em sua obra “O ócio criativo” e tentar ter um vislumbre do futuro do trabalho e como nos prepararmos para ele. Sua tese é que na sociedade pós-industrial, se sairá melhor quem conseguir combinar ao longo de toda sua vida três elementos: trabalho, estudo e jogos. Então estes aspectos de nossa vida não devem estar mais separados. Enquanto trabalhamos devemos continuar estudando, mas temos que integrar também a parte dos “jogos” ou atividades lúdicas, de entretenimento, lazer (ou brincadeiras que fazem parte da convivência entre pessoas), ou aquilo que nos dá prazer. Quando tudo estiver integrado e não forem mais momentos separados de nosso dia a dia, talvez nosso trabalho tenha um significado maior do que apenas o nosso emprego.

A busca por significado no que se faz, é uma das grandes fronteiras a serem superadas em nossas carreiras e com certeza dentro das empresas. Quando se busca por um significado, o trabalho deixa de ser uma repetição de atividades monótonas e transforma-se em um estudo e aperfeiçoamento constante. O melhor de tudo é que encontraremos prazer e satisfação no processo, deixando de ser um fardo. E olhando os exemplos dos profissionais mais bem sucedidos, vemos que eles encontram muita satisfação fazendo o que fazem e estão em constante aprimoramento, pois querem aprender cada vez mais.

Encontrar as condições perfeitas para conciliar o trabalho, estudo e prazer, ainda não é uma tarefa simples e talvez não o seja por um bom tempo. Mas acredito que cada vez mais, os profissionais que conseguirem realizar esta fusão, irão prosperar e ter uma vida profissional mais plena e duradoura do que a geração atual. Afinal, que empresa que não vai valorizar profissionais que amam o que fazem (pois fazem por prazer) e estão em eterno crescimento e desenvolvimento?

A grande questão então deixa de ser nossa idade, nossas habilidades ou experiências. A questão passa a ser então se escolhemos fazer profissionalmente algo que nos dá prazer, nos motiva a melhorar/estudar continuamente e traz significado para nossas vidas?

Se a resposta for sim, você provavelmente terá melhores condições para enfrentar o futuro, pois o foco não estará mais em pra quem você trabalha, mas estará em VOCÊ.

Você está preparado para mudanças na carreira?

Já não era novidade para os filósofos gregos que, dentre as poucas coisas na vida que nunca mudam, está o fato de que as coisas sempre mudam. E uma destas grandes mudanças, que acabam acontecendo com a maioria das pessoas, é a troca de emprego, seja ela planejada ou não.

Pode ser causada pela crise mundial ou devido a uma nova tecnologia que tornou obsoletas habilidades e qualificações antes essenciais. Pode ser pela alteração de chefia ou de estratégia da empresa. Ou ainda, a mudança pode ser provocada pelo próprio profissional, à procura de novos desafios, maior satisfação ou melhor remuneração.

Embora mudar seja uma das constantes básicas de nossa vida, nem sempre estamos preparados para isso. Muitas vezes, tentamos resolver problemas novos com respostas antigas. Enfrentamos situações diferentes com as mesmas atitudes que tínhamos antes, sem perceber e viver a mudança. É uma tendência a agir por inércia e resistir às alterações que acontecem no meio do caminho, mantendo o mesmo padrão de comportamento anterior até que seja gasta muita energia, nossa ou das pessoas ao redor, quando, enfim, é alcançada uma nova zona de conforto.

Para não cair nessas armadilhas, é preciso encarar a mudança de emprego com seriedade, dedicação e planejamento. É necessário lembrar que não apenas você precisará lidar com esta mudança, mas também sua família, seus amigos, sua nova chefia e seus colegas de trabalho. Você vai conviver com novas identidades, relacionamentos, comunidades, atitudes, emoções e poderes diferenciados.

Maquiavel já nos prevenia em relação à transição de carreira quando dizia que “o reformador tem inimigos em todos aqueles que se beneficiam da ordem antiga”. Neste caso, ao começar em uma nova função, somos este “reformador” da situação que havia antes, trazendo para a organização nossa identidade, habilidades e emoções.

Isso mostra que é preciso cuidado para não afrontar a cultura da nova empresa, pois o profissional que se sentir preterido com sua chegada – seja em poder, influência, salário, cargo ou controle -, será um forte opositor às mudanças que sua presença poderá gerar na organização. Oposição que poderá ser passiva, com falta de comprometimento, como também mais direta, podendo chegar à sabotagem.

Para que essa mudança não seja um problema, mas sim um novo desafio em sua vida, é necessário observar alguns passos que podem facilitar a sua adaptação. Em primeiro lugar, planeje. Escreva os objetivos e metas que você pretende atingir no seu novo emprego. E responda a perguntas sobre os métodos necessários para atingi-los, quem pode contribuir para o seu sucesso e quais pessoas podem se sentir ameaçadas. A partir daí, estabeleça um plano de como agir com cada uma delas, sempre com honestidade e ética.

Mas a execução é tão importante quanto o planejamento. Por isso, faça! Realize suas tarefas com entusiasmo e dedicação. Mostre os resultados que a empresa esperava ao contratá-lo. Além disso, verifique constantemente o seu progresso. Faça relatórios para o seu chefe sobre seu desenvolvimento e os resultados alcançados e peça feedback. Solicite feedback também a seus colegas e subordinados. Você está alcançando os objetivos planejados? Está conseguindo executá-los e ainda conquistando aliados ou pisou no calo de alguém?

Todas as percepções que ouvir servirão para verificar seu progresso e perceber pontos de melhoria. É chegado o momento de agir corrigi-los. Recebeu um feedback negativo ou positivo? Volte ao início do ciclo e planeje como aprimorar os pontos positivos e como melhorar os negativos.

Estes quatro passos foram diretamente baseados no ciclo P.D.C.A.(Plan-Do-Check-Act). O uso de algumas técnicas de gerenciamento de qualidade, aos poucos, poderá fazer você chegar a um padrão de conforto neste novo desafio profissional. De quebra, você ainda terá exercitado a melhoria contínua, um excelente mecanismo que continuará impulsionando sua carreira.

Dicas para entrevista de emprego

Quando for a uma entrevista, é preferível chegar cedo do que atrasado. Use roupas formais e discretas. O recrutador deve prestar atenção no que você diz e não no que veste. Tenha uma atitude calma e alegre, demonstrando otimismo, energia, mas tente ao máximo não transparecer nervosismo e ansiedade.

Antes da entrevista, faça uma pesquisa sobre a empresa na qual você vai e procure enumerar os aspectos em que você poderia ajudá-la a crescer ou melhorar. E, além disso, se prepare para algumas perguntas que costumam aparecer nos processos seletivos:

Por que você está interessado em fazer parte de nossa empresa ou exercer esta função na equipe?
O entrevistador não quer saber o que você vai ganhar ou melhorar pessoalmente ao aceitar esta oportunidade, nem se vai ser bom para você porque o salário é melhor ou irá trabalhar mais perto de casa. O que ele espera ouvir é de que maneira você pode agregar para a empresa.

Pensando nisso, use seus pontos fortes para mostrar como você poderia melhorar a equipe e como a sua presença poderia ser um diferencial para a organização. Lembre-se, o recrutador fará a mesma pergunta para diversos candidatos, o que você pode dizer, então, para que ele lembre da sua resposta e a considere melhor que as dos demais?

Por que você quer sair do seu emprego atual?
Não caia na tentação de dizer que não gosta do seu chefe ou da empresa. O recrutador não tem como avaliar se o seu chefe era ruim ou não, mas ele pode e fará a avaliação de que você gosta de reclamar. Ser crítico é bom em algumas situações e até em algumas funções, mas o que o recrutador poderá pensar é que você logo ficará cansado do emprego novo e deixará sua empresa falando mal dela também.

Quais são seus pontos fortes?
Aqui o recrutador quer saber o que você acredita que tem como diferencial, no que você pode fazer a diferença para a empresa. Explore suas experiências positivas e os resultados alcançados anteriormente. No que você já fez a diferença? Coloque isso para o entrevistador.

Quais são seus pontos fracos?
Por favor, evite dizer: “É a minha modéstia”. Todos temos defeitos e o recrutador sabe disso. O que ele vai analisar na sua resposta é seu senso crítico. Coloque alguns “pontos a melhorar” que você considera relevantes e mostre ao recrutador que você consegue analisar suas deficiências e luta constantemente para melhor. No entanto, cuidado, evite pontos polêmicos ou dramáticos. Frases como “sou bom, mas não pise no meu calo” não são indicadas.

Se você não precisasse do dinheiro, o que estaria fazendo?
Mostre que você continuaria fazendo alguma atividade relacionado à sua área de interesse e ao desenvolvimento pessoal. Esta é uma ótima oportunidade para o recrutador descartar aqueles que dizem que vão preferir vender água de coco na praia na primeira oportunidade que tiverem.

Esteja preparado para responder sua pretensão salarial e se tem disponibilidade para mudanças. É melhor ser sincero e sair do processo seletivo do que mentir e depois o recrutador descobrir que você desperdiçou o tempo dele. Quem sabe não existe ou abrirá outra vaga que se enquadre em suas disponibilidades. É melhor não “queimar o filme” com o recrutador.

Alguns pecados a serem evitados:
Atender ou deixar o celular tocar alto
Usar gírias, palavrões e cometer erros gramaticais
Entrar em assuntos como futebol, política e religião
Ser monossilábico, respondendo com sim/não. Mas também não seja prolixo, o ideal é ser objetivo
Mentir – nunca!

Evite apenas repetir o que já está escrito em seu currículo, o recrutador já leu, ele está esperando ser convencido que você tem algo a mais para o cargo. Em cada resposta tente demonstrar porque você seria o melhor candidato a exercer aquele trabalho, que suas habilidades e conhecimentos serão um diferencial para a empresa.

E, por fim, lembre-se da célebre frase: “Você nunca terá uma segunda chance para causar uma boa primeira impressão!”